PUBLICIDADE
chiquinho
chiquinho
2
2
3
3

Renato santos fala com propriedade

PUBLICADO DIA: 16/05/2016
POR: Renato Dos Santos
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestEmail this to someoneShare on LinkedIn

 

 

Formar um cidadão de bem requer cuidados extremos, pois hoje em novos tempos, com milhares de  oportunidades para o mal caminho, onde, não a educação, cultura esporte e lazer, facilmente um jovem formado com os verdadeiros costumes para uma vida saudável e honrosa.13076556_1176796295665439_1837429575998911086_n

Hoje no Brasil cresce ainda mais os adeptos pela bicicleta, e assim a falta de informação também aumenta muito.è sempre bom lembrar; tornar obrigatório o uso de capacete por parte de ciclistas [embora o uso do capacete seja recomendado, hoje é sabido que a obrigatoriedade no seu uso não é considerada uma medida positiva em termos de segurança e incentivo ao uso da bicicleta, tendo tido resultados negativos nos países em que foi implementada – o que nos faz rever esta questão]; criar rotas seguras para a circulação de bicicletas; estabelecer uma malha cicloviária nos locais de maior demanda; obrigar os Detrans a promoverem ao menos uma campanha anual de esclarecimento sobre as leis de trânsito relativas à circulação de bicicletas; obrigatoriedade de que as fábricas de bicicletas que produzam a venda casada com uma cartilha educativa sobre as leis em vigor; fazer com que as fábricas produzam capacetes a preços populares. O alicerce já existe. As estacas foram fincadas há oito anos, quando o Congresso Nacional aprovou o Código de Trânsito Brasileiro (Lei 9.503/97.), uma das mais modernas legislações do mundo acerca do tema. O artigo 96 do Código regulamentou a bicicleta como veículo de passageiro e inúmeros outros explicitam direitos e deveres de ciclistas e de motoristas para com os ciclistas. Os 10 mandamentos da convivência pacífica no trânsito são:

Motorista:
–        Mantenha distância lateral de um metro e meio (1,50 m) do ciclista;
–        Reduza a velocidade ao ultrapassar o ciclista;
–        Dê a preferência ao ciclista;
–        Sinalize;
–        Não jogue nada no ciclista.

Ciclista, as leis também são para você:
–        Não ande na contramão dos carros;
–        Use capacete e equipamentos de segurança;
–        Pare na faixa de pedestre;
–        Atravesse na faixa como pedestre; [no caso das travessias onde há uma faixa vermelha indicando a continuidade da ciclovia, o ciclista tem preferência em relação aos carros e pode atravessar montado]
–        Seja prudente.

Os benefícios da bicicleta para saúde

PUBLICADO DIA: 07/03/2016
POR: Renato Dos Santos
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestEmail this to someoneShare on LinkedIn

A bicicleta já foi um dos principais meios de transporte no mundo, mas hoje a história é bem diferente. Grande parte das pessoas nunca teve uma bicicleta própria ou deixa a sua cheia de teias de aranha na garagem. Seja por preguiça ou falta de tempo, quem não costuma pedalar está perdendo inúmeros benefícios – desde definir músculos até melhorar a frequência cardíaca.

Em um passeio de cerca de 40 minutos, três vezes por semana, já é possível dar adeus a diversos problemas decorrentes do sedentarismo. Antes, entretanto, recomenda-se fazer uma avaliação médica para determinar a intensidade do exercício, já que cada pessoa apresenta um determinado peso e condicionamento físico. Para os que desejam emagrecer, é necessário associar a atividade a uma alimentação equilibrada.

imagesPedalar melhora o condicionamento físico, aumenta a capacidade cardiorrespiratória e a prática está entre as mais apropriadas na prevenção e tratamento de doenças como: hipertensão, colesterol alto, infarto do miocárdio, entre outras. Muitos especialistas apontam que uma hora de pedaladas é possível perder aproximadamente entre 300 e 500 calorias, mas isso pode variar de acordo com a carga, velocidade e esforço empregados durante o treino.

Andar de bicicleta traz muitos benefícios para a saúde por isso as ruas e aulas de spinning vem ganhando cada vez mais adeptos ao pedal. Confira alguns dos benefícios:

– Melhora a frequência cardíaca: A intensidade de um exercício é controlada pela intensidade do batimento cardíaco, sendo assim durante o treino com a bicicleta é possível fortalecer o coração, visto que se trata de uma atividade aeróbica.

– Retenção de líquidos: Quanto mais se pedala, mais o metabolismo acelera. Mantendo uma boa hidratação (antes, durante e após o treino) o corpo tende a potencializar e os processos orgânicos, incluindo a eliminação de toxinas e isso resulta no melhor funcionamento dos rins e na diminuição da retenção de líquidos.

– Pele mais saudável: As pedaladas tornam o coração mais fortalecido e os pulmões tendem a respirar com mais qualidade fazendo com que o metabolismo se torne mais eficiente, e permite que a renovação celular ocorra mais rapidamente e a eliminação de toxinas aconteça mais acelerada e os problemas como as olheiras tendem a diminuir;

– Controla a ansiedade: O pedalar é uma atividade física que exige muito do corpo, e uma das respostas a este estímulo está associado á produção de hormônios que asseguram bem-estar e relaxamento, como a endorfina. Andar de bicicleta, ou realizar aulas de spinning, por pelo menos 3x por semana, garante o controle do estresse e ansiedade;

– Definição Muscular: Os membros inferiores são mais exigidos durante o treino e resultam em músculos bem definidos, porém não necessariamente ocorre o aumento de massa muscular. O abdômen tende a ficar mais definido devido à necessidade de boa postura e contração permanente para proteger as costas de dores e lesões.

Além disso, a prática do esporte tem outros benefícios: Rápida queima de calorias; Tonificação dos músculos;
Aumento da massa muscular dos membros inferiores; Redução do percentual de gordura.

PEDAL EM FAMILIA!

PUBLICADO DIA: 12/02/2016
POR: Renato Dos Santos
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestEmail this to someoneShare on LinkedIn

images (1)Que tal experimentar um programa desses em família? Com tantos incentivos para viver de maneira individual e virtual, as famílias tem sofrido com a carência de interação e a falta de dialogo. Uma atividade ao ar livre, como andar de bicicleta, pode ser um bom pretexto para uma programa saudável com os familiares Com as facilidades da vida moderna, o sedentarismo ganha cada vez mais espaço no dia dia, gerando ou agravando problemas de saúde.Introduzir uma atividade física na rotina para ficar longe das doenças,agregar um alimentação saudável também são premissas importantes. Exercícios simples, como caminhar ou andar de bicicleta, ajudam a prevenir doenças crônicas como obesidade, colesterol e hipertensão.407143_3323547170223_1314675031_4996065_634994493_n-e1329395708968

Não dá para ignorar o fato de que está se tornando um lugar cada vez menos saudável para a gente viver. É a poluição que cresce, a água cada vez mais escassa… vira uma urgência ensinar nossos filhos a cuidar melhor do lugar onde vivem desde já. E o melhor jeito de fazer isso é dando o exemplo. Crianças aprendem mais com nossas atitudes do que com nossas palavras, você sabe disso. O que nos vêem fazendo desde bem pequenas, elas copiam e vira hábito para a vida toda.10850076_696410303806937_8419886013863721378_n

Com o companheirismo e os ensinamentos proporcionados, as famílias ciclísticas garantem a propagação da cultura da bicicleta para as próximas gerações, mostrando os benefícios da bike não só para os seus filhos, mas para toda a família e comunidade. O prazer de conhecer, viajar em uma velocidade compatível com as percepções humanas, praticar um exercício físico, estar ao ar livre, aliado à integração familiar, ensejam qualidade de vida aos participantes. Lembrando sempre da importância dos acessórios de segurança, capacete, luva, óculos e sapatilha. sobre leis de transito, não pedalar na calçada, não ir sentindo contra os carros, entre outros. Procure um grupo de pedal sua cidade, se informe sobre percursos, sobre dificuldades no trajeto, o tempo estimado para pedalada, para que possa definir se pode ir com família toda ou não, para que seja prazeroso e com segurança. cfjjizixvu13gaehazid0jyq8

Um dos fatores que mais influencia em nossa felicidade e bem-estar, segundos estudos e pesquisas diversas, é o convívio com a família.  a família é , ou deveria ser, a organização mais valiosa e importante para nós. No próximo final de semana, ao invés de televisão, que tal convidar os seus familiares para um pedal?

 

Bicicleta integra socialmente

PUBLICADO DIA: 29/01/2016
POR: Renato Dos Santos
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestEmail this to someoneShare on LinkedIn

10982236_826342134121539_7198125253654842084_nIr mais longe é praticamente inevitável. É humano, faz parte de nossa história. Para chegar lá é bom levar em consideração alguns preceitos. Eles podem ser colhidos da experiência humana ou aprendidos pela vida. Como tudo, é de nossa livre opção.

A partir de um determinado momento o convívio com a bicicleta começa, quase sem que se perceba, abrir naturalmente novos caminhos. E então? Por que não ir mais longe? Por que não descobrir um novo ângulo da liberdade? Ou até mesmo ganhar distância?Ir mais longe não é necessariamente aventura ou superação. Ir mais longe é a busca espontânea de viver mais e melhor. É mais do que a distância percorrida, mesmo que não se perceba isto com clareza.

O uso da bicicleta induz a mudanças de percepção, algumas sutis, outras nem tanto. Pedalar faz com que corpo e mente funcionem de maneira mais equilibrada, o que amplia horizontes. Mas não é só isto.

Veículos motorizados simplesmente passam rápido por tudo. A alta velocidade isola o passageiro da realidade. A carroceria torna a visão da paisagem incompleta, parcial. Os vidros isolam os sons naturais e impossibilitam o contato com a vida. A percepção humana sofre grande distorção.

A velocidade média de um ciclista possibilita uma percepção mais ampla, clara e precisa da vida. A bicicleta não isola sons, cheiros, vento, temperatura, umidade. Pedalando, o meio ambiente e seus habitantes podem ser palpáveis, se o ciclista assim quiser. É fácil a locomoção com bicicleta onde quer que seja, o que às vezes é impossível com o automóvel. Na bicicleta a vida se apresenta com ela de fato é.

Ir mais longe está ligado ao processo natural de descoberta das coisas da vida, o que nos mantém vivos. E a bicicleta traz consigo um enorme poder de transformação capaz de nos levar ainda mais longe.  Simplesmente, ir mais longe!

Não tenha medo do desconhecido. Mas seja prudente. Perceba e respeite os limites reais; os próprios e os externos. A segurança e a integridade física do ciclista estão diretamente relacionadas aos cuidados com o corpo, roupas, vestuário e acessórios.

Quem é o ciclista?602379_471624359593320_617216969_n

Alguém meio sujo, suado e vestido com roupas coladas? Um esportista privilegiado que é muito forte para pedalar sua bicicleta pelas ruas? Um pobre que não tem outra opção de transporte? O cara que chega fedido no trabalho?

Talvez a pergunta seja: dá para usar a bicicleta e parecer com uma pessoa normal?

Boa pergunta! O que é normal? Controlar as condições de temperatura ambiente do automóvel para chegar seco e cheiroso? Sentar-se confortavelmente e locomover-se com o menor esforço possível? Ter vergonha de sua aparência? Preocupar-se com o que os outros dizem?

Todas as perguntas acima não têm sentido. A única coisa importante nesta vida é ser sadio, feliz, aberto para o que a vida nos oferece. Parecer estranho, estar suado, pobre ou rico, de automóvel, roupa bem passada, cheiroso, parecer normal – ser de tudo um pouco, ter liberdade de escolha e sensatez de opção para o momento. Simples!

O que importa de fato é ter mente e corpo equilibrado; o único caminho para a felicidade, o objetivo final do ser humano e da humanidade. E a bicicleta ajuda muito neste caminho porque traz muitos benefícios para o corpo e mente, mesmo que haja alguns pequenos inconvenientes óbvios. Óbvios, mas possíveis de serem minorados. É disto que vamos tratar aqui.

ótimo pedal a todos!!!!

ciclista Renato dos santos.

 

NESTE FIM DE ANO PEDALAR EM GRUPO ÓTIMA OPÇÃO!

PUBLICADO DIA: 08/01/2016
POR: Renato Dos Santos
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestEmail this to someoneShare on LinkedIn

download (4)Grupos de pedaladas são uma atividade que tem crescido bastante nas cidades. Seja no trânsito, trilha e estradaso  número de amigos que se juntam para pedalar é cada vez maior. na ediçao anterior falamos sobre os cuidados que devemos ter com a bicicleta, hoje teremos varias dicas sobre cuidados e segurança na pedalada, seja em grupo ou sozinho.

Conheço pessoas que só pedalam sozinhas e outras que apenas em grupos. Outras ainda gostam tanto de pedalar que experimentam um pouco dos dois. Atleta profissional, devido planilhas de treinamentos, 95% das pedaladas são sozinhos, mas , muitas vezes precisam fazer treinamentos com outros ciclistas para terem uma base de seu rendimento, muitas vezes usar algumas competições como treinamento para adquirir “ritmo de competição”. É claro que cada um tem suas preferências, mas a questão não é apenas o que gostaria de fazer. Sua rotina, seu ritmo de pedalada, seus compromissos e horários podem também definir se você vai pedalar em grupo ou sozinho.

Vantagens de pedalar em grupo

Pedalar em grupo é mais seguro do que pedalar sozinho. No trânsito o grupo ocupa mais espaço, fica mais visível, e impõe mais respeito aos carros. O mesmo também vale para a segurança dos locais por onde se pedala. Socialização; Quem pedala em grupo sabe que muitas vezes as amizades extrapolam o grupo, e logo você será padrinho de casamento ou dos filhos daquele seu/sua colega de pedal o compromisso que o grupo assume com o pedal muitas vezes ajuda a vencer aquele dia ou momento que você está mais desanimado para pedalar. Aí não tem regra: um dia a turma pode estar te animando e no outro você convencendo seu amigo a pedalar com você. Os desafios de pedalar em grupo; conviver com as diferenças, todo grupo tem pessoas com diferentes personalidades, senso de humor, ritmos de pedalada e até de formas de pensar. pedalar em grupo é tambem conviver com pessoas diferentes de você e em alguns casos, exige um pouco de paciência.

Respeite o ritmo do grupo;

Pedalar em grupo é diferente de pedalar sozinho. Imagine que você é convidado por um amigo para um pedal, e durante a pedalada você encontra com ele só em dois momentos: na largada e no final. Você escolheu pedalar com outras pessoas, e dificilmente todos terão o mesmo ritmo. É muito chato sair pra pedalar em grupo e ver uma turma deixando um ou mais amigos para trás. Se você gosta de treinar e manter um ritmo mais forte, procure pessoas com ritmo parecido com o seu pra pedalar. Entenda que o passeio em grupo é diferente, e a diversão esta em pedalar juntos.

A pedalada em grupo deve ser solidária. Imprevistos podem acontecer tanto sozinho quando em grupo. A vantagem de estar acompanhado é ter mais pessoas para ajudar. Paciência no caso de uma parada inesperada e ajuda na hora de resolver aquele problema técnico da bike ou colar uma câmara de ar que furou. No final do pedal, são os imprevistos que deixam as histórias e “causos” mais divertidos.

Pedalando sozinho; pedalando sozinho você vai se sentir “o senhor dos pedais”. Você decide o trajeto, o ritmo, a(s) hora(s) de parar para descansar, lanchar, tirar fotos e etc. muitas pessoas – e eu me incluo nesse grupo – adoram pedalar sozinhos e fazem desse momento um momento de reflexão, muitas vezes pra esfriar a cabeça ou colocar as idéias no lugar. pedalar sozinho pode requerer boa dose de força de vontade do ciclista. As vezes um ventinho um pouco mais forte ou o céu nublado pode ser a desculpa pra ficar em casa. Mas, isso depende de cada um.

Convicer com a solidão do mesmo jeito que algumas pessoas gostam de passar um tempo sozinhas, já ouvi relatos de amigos que não suportam ficar algumas horas girando sem outra pessoa para bater papo, ou mesmo uma companhia silenciosa em pedais longos.

seja qual for a sua escolha, saiba que pedalar em grupo ou sozinho são coisas totalmente diferentes, e exigem uma conduta diferente dos ciclistas.

Ótimo 2016 a todos!!!EXCELENTES PEDALADAS!

CUIDADOS COM A BICICLETA

PUBLICADO DIA: 17/12/2015
POR: Renato Dos Santos
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestEmail this to someoneShare on LinkedIn

Ola galera do pedal!!!

É de grande importância a manutenção regularmente na bicicleta, engrenagens, rolamentos, cabos de marchas, freio e verificação parcial de todas as peças necessitam de uma revisão, primeiro para manter o equipamento sempre em dia e não deixar o ciclista na “mão”durante pedal, segundo por o preço por manter é menor do que trocar alguma peça.

Entenda como funciona uma revisão Geral em uma bicicleta.vintage-bicycle-repair

É importante sempre levar sua bike em uma oficina especializada com mecânico experiente, que saiba realmente parte mecânica e funcional das peças.

A bicicleta é colocada em um cavalete profissional o primeiro passo é retirar ambas as rodas,

os eixos, o cassete e o núcleo são removidos. Do quadro são retirados os pedivelas e o movimento central. Em seguida são removidos a mesa (junto como guidão) e a suspensão dianteira. Tudo é colocado em uma caixa, tomando-se o cuidado para não perder as peças pequenas.
O quadro é então colocado em um suporte no lavador ou tanque. Outro mecânico limpa a relação com um produto desengraxante biodegradável e lava minuciosamente cada parte do quadro. Uma solução de água + sabão é aplicada para eliminar a gordura e resíduos diversos acumulados. Todas as demais peças (guidão, mesa, suspensão, rodas, miudezas) são também lavadas da mesma forma. O quadro, a relação e as peças são enxutas com ar comprimido e um pano seco. Nesse momento, o mecânico aproveita e faz uma checagem no estado dos raios e procura por trincas no quadro.

Após tudo lavado e seco, é hora de avaliar o estado das peças. Com atenção são examinados a relação – a corrente é medida com uma ferramenta que verifica o desgaste – e todos os componentes em que podem haver problemas: cubos de roda, caixa de direção, movimento central, rolamentos, sapatas de freios, conduítes e cabos de aço. Constatada a necessidade, as esferas de aço são substituídas por novas sem custo.

Hora da montagem. Os eixos das rodas são montados e lubrificados com graxa . O cassete montado e as rodas levadas até um equipamento profissional para a verificação do alinhamento se necessário.

– Enquanto isso è instalado o movimento central no quadro, tomando-se o cuidado de lubrificar com Graxa a ponta do eixo onde são fixados os pedivelas.
– A caixa de direção é montada e a suspensão é reinstalada. Os cabos e conduites de câmbio e freio são reultilizados ou substituídos nessa etapa dependendo de seu estado de conservação.Terminais de alumínio finalizam as ponteiras dos cabos.
– As rodas são reencaixadas no quadro e é realizada uma lubrificação final na bike. Polias de câmbio , cassete e corrente recebem tratamento com a aplicação de um lubrificante líquido.
– Cabos de câmbio e freios então são regulados em definitivo.
– Por último a bike recebe uma camada de silicone que protege e dá brilho.
O mecânico se julgar necessário ainda faz um test ride na rua para verificar os últimos detalhes.

 

Lavar a bicicleta em casa com mangueira e sabão pode ser prazeiroso. Deixa a bicicleta limpinha e brilhosa mas também pode sim danificar peças mecânicas importantes se as partes internas não forem limpas e lubrificadas ao mesmo tempo.

Isso é fato. Sem fazer o serviço completo você tem a bicicleta mais limpa do Bairro mas é o mesmo que varrer a sujeira para baixo do tapete. Barulhos e corrosão estão escondidos danificando pouco a pouco seu equipamento.
Sem mistérios entenda abaixo quais danos são causados a sua bicicleta em contato com a água:

A princípio não se recomenda pedalar em dias de chuva. Mesmo ciclistas profissionais e experientes, respeitam os dias de chuva e esperam o tempo melhorar para saírem às ruas. Ruas molhadas e escorregadias, pouca visibilidade dos motoristas, vidros embaçados, tudo isso acarreta grandes chances do ciclistas se envolver em algum acidente.

Se você tem alguma dúvida ou sugestão sobre a manutenção de sua bicicleta entre em contato com nossa Assistência Técnica pelo endereço ou telefone; Av. 19 de Agosto 790, centro goioere – Pr . Fone; 44 9901 2160

 

Segurança ao pedalar

PUBLICADO DIA: 11/12/2015
POR: Renato Dos Santos
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestEmail this to someoneShare on LinkedIn

Olá,  semana passada vimos sobre alguns benefícios da bicicleta, nesta semana vamos iniciar uma conversa sobre os cuidados que devemos ter quando pedalamos.

COMO SE MANTER SEGURO AO PEDALAR NAS RUAS E RODOVIAS.

Se você acha que essa coisa de bicicleta não é para você, tudo bem. Mas se você se dispuser a experimentar sair pedalando, um dia que seja, vai chegar no seu destino mais disposto e feliz. A endorfina liberada pelo exercício físico vai te fazer ter um dia melhor no trabalho.

Só por não ter se estressado em esperar dentro do carro (ou do ônibus) por aquele sinal que abriu e fechou três vezes, você já vai sentir uma diferença enorme. Vai queimar aquelas gordurinhas que insistem em continuar ali, por mais que você reze para São Regime. Vai melhorar sua capacidade respiratória, a circulação, e vai correr menos risco de infarto.Vai economizar dinheiro e provavelmente vai até chegar mais rápido.

HOJE VAMOS MOSTRAR 5 DICAS DE SEGURANÇA.

1 – ILUMINE SUA BIKE

Nem sempre lembradas como item de segurança, as luzes da bicicleta têm papel essencial. Afinal, é muito mais importante evitar uma situação de risco do que se preparar para sobreviver a ela.

Para poderem ter tempo de reação e desviar de você com segurança, os motoristas precisam vê-lo. E, à noite, quem está numa bicicleta é ainda menos visto por quem está dirigindo. Os refletivos, que A LEI OBRIGA A VIR NAS BICICLETAS, são de pouca ajuda. Use sempre luz branca na frente e vermelha atrás, para os motoristas saberem rapidamente se você está indo ou vindo..

A luz deve ser piscante, pois a intensidade luminosa das lanternas de bicicleta não é suficiente para se destacar com segurança quando acesas no modo ininterrupto. A luz piscante atrai muito mais a atenção do motorista – e é exatamente esse o objetivo.

2 – NÃO ANDE NA CONTRA MÃO

Há várias razões para pedalar na mão correta e todas elas visam sua segurança.Um pedestre que vai atravessar a rua só olha para o lado de onde os carros vêm. Um carro que vai entrar em uma rua, ou sair de uma garagem ou vaga de estacionamento, também. Eles não esperam encontrar uma bicicleta vindo na contramão. Um carro fazendo uma curva à direita também não espera uma bicicleta na direção contrária, ainda mais no lado de dentro da curva. Um motorista que estacionou e vai abrir a porta, olhará só no retrovisor para ver se pode abri-la, sem ter motivos para olhar para a frente.

3 – AFASTE-SE DAS PORTAS

Cuidado com as portas dos carros parados. Muitos motoristas olham no retrovisor procurando o volume grande de um carro e acabam não vendo a magrela chegando, principalmente à noite (outro ponto a favor da iluminação piscante). Ou o motorista olha em um ângulo que faz a bicicleta ficar em um ponto cego. E há também quem seja distraído mesmo! Tem até quem abra a porta toda de uma vez, empurrando com o pé…Por isso, fique a uma distância que seja suficiente que uma porta abrindo não te derrube. Mantenha pelo menos um metro dos carros parados, tentando imaginar até onde iria uma porta aberta. De preferência

4 – NÃO PEDALE NAS CALÇADAS.

Calçadas são para pedestres,Se precisar passar pela calçada ou atravessar na faixa de pedestres, o código de trânsito manda desmontar da bicicleta, (art.68, §1º). E essa lei não é apenas uma regra arbitrária feita por quem nunca andou de bicicleta: há motivos suficientes para não usar a calçada. Os pedestres que estão de costas para você podem dar um passo para o lado sem te ver chegando. Um carro pode sair de dentro de uma garagem de prédio e te acertar em cheio, ou aparecer na sua frente de um modo que você não consiga desviar – e o errado (e ferido) vai ser você. dentre muitos outros motivos, Tente circular sempre na via. Se precisar passar pela calçada, desmonte e vire pedestre.

5 – EDUCAÇÃO É UMA VIA DE MÃO DUPLA.

Motoristas são bem suscetíveis a abordagens educadas. Quantas vezes já não vimos um motorista, que está se posicionando para não deixar outro entrar na sua frente, ceder a vez quando o primeiro faz um simples sinal com a mão? Pois esse sinalzinho de mão, acompanhado de um sorriso e seguido de um agradecimento, faz milagres.

Um ciclista educado é melhor recebido nas ruas. É importante também sempre agradecer quando alguém aguardar ou der passagem, porque isso criará simpatia no motorista, ajudando a vê-lo como uma pessoa e não como um entrave ao seu deslocamento, um atraso a mais em sua pressa.

Muitos motoristas que estiverem lhe vendo como “um folgado ocupando a rua” vão pensar “pelo menos o cara é educado”. Já é alguma coisa e pode ser a diferença entre uma situação de risco ou não. E esses passarão a tratar melhor o próximo ciclista que virem. Ou seja, com boas maneiras no trânsito você acaba ajudando a todos nós. Obrigado!

Galera espero que aproveitem ao máximo este assunto e as várias dicas de segurança. Na próxima semana teremos mais 5 dicas especiais para todos que amam pedalar!  Abraço a todos.

att. ciclista Renato dos Santos

A bicicleta  – Transporte Alternativo

PUBLICADO DIA: 04/12/2015
POR: Renato Dos Santos
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestEmail this to someoneShare on LinkedIn

_MG_0646

O transporte alternativo é uma maneira de se locomover, usando um meio diferente das formas convencionais. A bicicleta é um dos exemplos mais populares de transporte alternativo e também sustentável e saudável. Em alguns lugares, ela é usada porque é mais barata, como no interior do Brasil, em países como a Índia e China. Outras pessoas escolhem andar de bicicleta por uma questão ideológica, porque elas não agridem o meio ambiente e não causam tantos transtornos quanto os carros. Por esse último motivo, a Holanda adotou a bicicleta como principal transporte. O trânsito nas grandes cidades holandesas é todo adaptado para atender aos ciclistas. As ciclovias são priorizadas, o que garante a segurança de todos. O número de bicicletas circulando ou estacionadas em Amsterdã, por exemplo, é impressionante, e por isso os donos devem prezar pela segurança, colocando correntes e cadeados fortes para evitar roubos.

Diferentemente, os brasileiros não têm a mesma estrutura para usá-las; esse é o maior motivo para que ela não seja tão popular nos grandes centros urbanos do país. Os que tentam se transportar com as bicicletas enfrentam dificuldades: não há espaço destinado a elas, muitas vezes os ciclistas disputam com os carros, o que pode provocar graves acidentes.A geografia de muitas regiões do Brasil dificulta esse transporte, cidades muito acidentadas são um empecilho para quem resolve pedalar. O clima quente também serve de desculpa para alguns, que acham desconfortável chegar aos lugares suados, por causa do esforço físico que se faz ao andar alguns quilômetros debaixo do sol.

Vantagens do Uso da Bicicleta

A utilização de bicicletas como meio de transporte é cada vez mais frequente em cidades grandes, pois elas contribuem para a redução da poluição, quantidade de automóveis nas ruas, cons

  • Benefício para saúde e qualidade de vida, pois é uma ótima atividade física;
  • É um tipo de transporte ecologicamente correto, porque não polui;
  • É econômico porque não exige gastos com combustível ou passagem;
  • É possível se locomover mais rápido, trata-se de uma opção para driblar o trânsito congestionado;
  • Contribui para um trânsito com menos fluxo de carros;
  • Ajuda a diminuir os engarrafamentos;
  • Exige menos espaço para serem guardadas em relação aos carros, que necessitam de enormes áreas destinadas a estacionamentos;
  • Possui baixo custo de manutenção

Benefícios de andar de bicicleta

Andar de bicicleta pode melhorar a sua saúde física e mental, além de reduzir as chances de sofrer de muitos problemas de saúde. A atividade também é uma boa maneira de controlar ou reduzir o peso, uma vez que aumenta a sua taxa metabólica, constrói músculos e queima gordura corporal. Se você está tentando perder peso, deve manter também um plano de alimentação saudável

Andar de bicicleta é uma forma confortável de exercício e você pode alterar o tempo e a intensidade. Mantendo um ritmo constante entre as pedaladas, é possível queimar cerca de 300 calorias por hora.

Uma pesquisa britânica diz que andar de bicicleta por meia hora, todos os dias, pode queimar cerca de cinco quilos de gordura ao longo de um ano.

A História da Bicicleta no Brasil

PUBLICADO DIA: 27/11/2015
POR: Renato Dos Santos
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestEmail this to someoneShare on LinkedIn

1960 – O fenômeno da Monark Barra Circular

O começo dos anos 60 se faz com mais de 30 marcas de bicicletas sendo produzidas no Brasil. A grande maioria fabricava modelos em vários tamanhos, geralmente 28, 26, 24, 22 e 20, em polegadas e referente ao tamanho da roda. Com o mercado de bicicletas em crise a necessidade de padronização para diminuir custos é a saída para evitar fechar as portas. A grande maioria das bicicletas adultas, já no final da década de 60, passa a ser produzida com rodas 26.

É difícil encontrar referências para entender o que levou a criação do desenho do quadro da Monark Barra Circular. Antes dela havia no mercado uma série de quadros com reforços no triângulo principal do quadro, geralmente barras que ligavam o tubo de selim com a frente da bicicleta. Podia ser um segundo tubo superior, com os dois em paralelo, ou um “J” que nascia no tubo inferior pouco atrás da caixa de direção e terminava no tubo de selim. Havia até a referência das Schwinn com seus dois tubos de reforço em semi-círculo saindo da parte baixa da caixa de direção, passando pelo meio do tubo superior e terminando nas forquilhas traseiras. Mas tudo indica que nunca se havia feito um quadro com um reforço circular dentro do triângulo central.

O mais interessante é que a primeira Barra Circular a ser colocada no mercado tinha rodas 28, bem maiores que as 26 ½ que se tornariam padrão. Se o projeto não tem referências, não restam dúvidas que ele tem uma fluidez que chega a ser agradável e um estilo algo futurista para a época. É completamente diferente do que se fabricava até então, quando o desenho do quadro normalmente tinha linhas retas, formas práticas, reconhecidamente resistentes, e que eram produzidas com o mínimo de desperdício de material.
A Monark Barra Circular foge da tradição e entra no mercado para fazer história. Mesmo uma marca com a força que a Monark tinha então só tem sucesso se seu produto cai no gosto público e a Barra Circular foi um sucesso total.

O interessante é que a qualidade das bicicletas produzidas no Brasil até então era boa. Havia uma cultura sobre as bicicletas bem estabelecida, pelo menos aqui no sul e sudeste do país. Quase não faz sentido sair das leves e eficientes bicicletas com quadro tradicional para cair num quadro cheio de tubos, detalhes e mais pesado. A alegação normal de seus usuários é que a Barra Circular é mais robusta, resistente que as outras. A Caloi tenta conseguir morder um espaço deste novo mercado e a princípio lança a Barra Dupla, um modelo claramente inspirado na Schwinn. Alguns anos depois lança a linha Barra Forte que foi mudando o desenho do quadro, mas nunca chegou perto do impressionante número de venda da Barra Circular. No início dos anos 80 a Caloi lança uma linha nova, com um desenho de quadro em que as forquilhas tem uma continuidade que ultrapassa o tubo de selim e continua até quase a caixa de direção, formando assim um selim, ou banco, sobre o tubo superior. O desenho da bicicleta é muito suave e fluido, mas o desenho não faz sucesso esperado e seu custo de produção é alto, e já no ano seguinte ela começa a ser modificada. Irá surgir a última geração de Barra Forte com “banco” sobre o tubo superior. Logo será apresentada ao mercado a Caloi Barra C, quase uma cópia da Barra Circular.

O poder de mercado da Monark Barra Circular só irá diminuir no meio dos anos 90 quando o conceito mountain bike começa afetar até o mercado de bicicletas para trabalhadores.

Se o país começou os anos 60 com mais de 50 marcas de bicicletas, termina com 2 gigantes e uns poucos pequenos. As décadas de 70 e 80 passam com Caloi e Monark dominando 95% do setor. O balanço comercial publicado das duas empresas não raro era muito parecido durante o mesmo período; assim como as suas ações comerciais. O Brasil foi dividido em áreas e onde uma marca dominava a outra mal aparecia. Os pequenos, o 5% do mercado, eram “autorizados” a trabalhar.

O ciclismo esportivo, tão importante até o início dos anos 60, quando chegava a dar primeira página de jornal, passou a ser controlado com mão de ferro e acabou perdendo popularidade, quase chegando ao ostracismo. As disputas foram ferozes e acabaram saindo do campo esportivo. O resultado foi que a equipe Monark de ciclismo acabou extinta e a marca só voltaria a ter uma equipe oficial na época do BMX.

A bicicleta, o início

PUBLICADO DIA: 20/11/2015
POR: Renato Dos Santos
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestEmail this to someoneShare on LinkedIn

Esta semana falaremos pouco sobre invenção da bicicleta! Esse incrível meio de transporte que tem tornando-se cada vez mais popular nas pequenas e grandes cidades do brasil. A bicicleta tem destaque em países de primeiro mundo como a Holanda, países da Europa como Bélgica e França, e da Asia como a China.

01Apesar de alguns autores defenderem Leonardo da Vinci como inventor da bicicleta, o certo é que o alemão Barão Karl Von Drais é o verdadeiro criador desta valiosa invenção, que se tornou o meio de transporte mais utilizado no mundo no dias de hoje. Sua ideia era transformar um brinquedo que se chamava, Celerifero, em algo diferente. Isso  em 1818.

O brinquedo fôra construído em madeira com duas rodas interligadas por uma viga e um suporte para apoio das mãos, mas sem pedais então o usuário teria que se locomover com os pés. Drais interligou um sistema de direção que permitia fazer curvas e com isso manter-se em equilíbrio em movimento, de inicio, foi um sucesso, e a invenção foi patenteada. Mesmo sendo um avanço na época a por fim bike foi ridicularizada e Drais tornou-se um homem falido.

celeriferoNo final do seculo XIX, a bicicleta chegou ao Brasil vinda da Europa. Os primeiros relatos de sua existência em território brasileiro são no Paraná, mais precisamente em Curitiba, cidade que recebeu muitos imigrantes europeus desde a segunda metade do século XIX, e em São Paulo.

Na próxima semana vamos mostrar a evolução do “celifero” para nossa Bicicleta hoje! A bicicleta no esporte, sua aceitação no brasil e assim vamos dando o ponto de partida nesta história magnifica, onde cresce o numero adeptos dia após dia!

 

abraço a todos.

PUBLICIDADE
© COPYRIGHT 2015 - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS - Portal Goioerê